Cruz Vermelha promove tratamento inovador para redução de risco de Câncer no Esôfago

O Hospital da Cruz Vermelha de São Paulo recebeu uma equipe de médicos para realização de um procedimento de ablação por Radiofrequência realizada por Endoscopia. O procedimento foi transmitido ao vivo para médicos participantes do Primeiro Curso MasterClass EndoVitta / Medtronic, instituições parceiras do Hospital da Cruz Vermelha.

O tratamento proativo é voltado para pacientes diagnosticados com Esôfago de Barrett que estão sob vigilância, mas querem reduzir seu risco de progressão para câncer.

Múltiplos estudos demonstram a eficácia da ablação por endoscopia no tratamento do Esôfago de Barrett. Além disso, as diretrizes clínicas das três sociedades do trato digestivo dos Estados Unidos recomendam o tratamento de pacientes com Displasia por meio de terapia de Erradicação Endoscópica.

O Esôfago de Barrett é o principal fator de risco e aumenta em 50 vezes a chance de o paciente desenvolver o Adenocarcinoma de Esôfago, uma forma de Câncer de Esôfago. Pessoas com Displasia de baixo grau confirmada ou outros fatores associados enfrentam um risco substancial de progressão da doença.

 

Remoção por Radiofrequência 

Dr. Gary Reiss, durante procedimento de ablação por Radiofrequência realizada por Endoscopia

O tratamento com o Sistema de Ablação por Radiofreqüência Barrx™ pode erradicar o Esôfago de Barrett e reduzir em até 94% o risco relativo de progressão da doença de Displasia de baixo grau para Displasia de alto grau ou câncer.

 A Ablação por Radiofrequência usa calor para remover o tecido pré-cancerígeno danificado pelo Esôfago de Barrett, preservando o tecido saudável subjacente. O procedimento é realizado com a utilização de um tipo especial de cateter por via endoscópica, sem a necessidade de intervenção cirúrgica.

As pessoas que optam pelo tratamento têm menor probabilidade de a doença evoluir para o Câncer de Esôfago em comparação com pacientes que se submetem à vigilância. Após o procedimento, o paciente é liberado no mesmo dia e deve seguir as recomendações médicas sobre o período de acompanhamento e uso de medicação.

 

Opções de tratamento de Esôfago de Barrett

As dúvidas dos participantes do curso foram tiradas em tempo real com os doutores envolvidos no procedimento

A combinação de opções, incluindo a vigilância dos sintomas e a terapia de Ablação por Radiofreqüência, pode ser usada para gerenciar e tratar o Esôfago de Barrett.

O Barrett não tratado pode levar ao Adenocarcinoma Esofágico, um tipo de Câncer de Esôfago. Portanto, a detecção precoce e o tratamento são fundamentais.

Se você for diagnosticado com Esôfago de Barrett, consulte o seu médico sobre as opções de tratamento disponíveis, que variam de acordo com a progressão do crescimento de células pré-cancerosas (Displasia) em seu esôfago.

Caso a doença esteja nos estágios iniciais e não tenha fatores de risco significativos para a progressão, o seu médio pode recomendar consultas periódicas para monitorar sua doença. As consultas têm como objetivo coletar amostras (biópsias) do tecido afetado e realizar endoscopia. A frequência da vigilância pode variar dependendo da gravidade do esôfago de Barrett e dos fatores de risco.

 

Equipe responsável pelo procedimento feito no Hospital da Cruz Vermelha de São Paulo 

Dr. Thiago Souza – Diretor do Instituto EndoVitta, Dr. Eduardo Grecco – Endoscopista Bariátrico do Instituto EndoVitta e Professor / Coordenador do Serviço de Endoscopia na Faculdade de Medicina do ABC, Dr. Gary Reiss – Endoscopista da Louisiana State University e membro da Metropolitan Gastroenterology Associates e Dr. Sebastião César de Vasconcellos – Diretor Técnico do Hospital da Cruz Vermelha Brasileira – São Paulo

 Dr. Eduardo Grecco – Endoscopista Bariátrico do Instituto EndoVitta e Professor / Coordenador do Serviço de Endoscopia na Faculdade de Medicina do ABC

Dr. Thiago Souza – Diretor do Instituto EndoVitta

Dr. Gary Reiss – Endoscopista da Louisiana State University e membro da Metropolitan Gastroenterology Associates

Dr. Sebastião César de Vasconcellos – Diretor Técnico do Hospital da Cruz Vermelha Brasileira – São Paulo