Profissão de cuidador será regulamentada e vai exigir curso específico

O trabalho de cuidador de idosos tem atraído cada vez mais profissionais por conta do aumento da expectativa de vida da população. Para regulamentar uma das atividades que mais crescem no país, o Senado aprovou nesta semana um Projeto de Lei que estabelece direitos e obrigações do profissional, como a exigência de curso de qualificação na área.

De acordo com o texto, somente poderá exercer a profissão aqueles que tiverem no mínimo 18 anos de idade; ensino fundamental completo (ou correspondente); haver concluído, com aproveitamento, curso de qualificação, em conformidade com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; não ter antecedentes criminais e apresentar atestado de aptidão física e mental.

Além do Cuidador de Idoso, regulamentação é válida também para as ocupações de Cuidador Infantil, Cuidador de Pessoa com Deficiência e Cuidador de Pessoa com Doença Rara e dá outras providências.

O PL 11/2016 estabelece que a atividade de cuidador poderá ser temporária ou permanente, individual ou coletiva, visando à autonomia e independência, zelando pelo bem-estar, saúde, alimentação, higiene pessoal, educação, cultura, recreação e lazer.

A regulamentação é uma conquista importante para os profissionais e também para os atendidos. De acordo com a Diretora Pedagógica do Centro Formador da Cruz Vermelha, Luciana Mateus, “a formação específica oferece ao atendido um cuidado muito mais seguro e eficiente. É importante ter uma formação adequada para lidar com cada público e, principalmente, para lidar com eles de forma humanizada, assegurando o bem-estar deles”.

No Centro Formador da Cruz Vermelha de São Paulo, as capacitações são voltadas para a valorização do cuidado humanizado com os atendidos.

O curso de Cuidador de Idosos é montado pensando nos cuidados com a saúde e bem-estar da terceira idade. A matriz curricular inclui enfermagem, primeiros socorros, nutrição, yoga na cadeira e arteterapia com idosos.

Nos últimos dez anos, o curso da instituição registrou um aumento significativo da procura. Em 2018, foram formadas 400 estudantes, quatro vezes mais que em 2008. Com a crescente demanda, foram feitas reformulações na matriz curricular do curso, aumentando a carga-horária para 160 horas e incluindo o estágio supervisionado, garantido pela escola.

Além desse, o Centro Formador da Cruz Vermelha de São Paulo oferece cursos de Cuidador Infantil e Cuidador de Crianças Deficientes.

A procura pelo curso da Cruz Vermelha reflete não apenas a qualidade da formação, mas também a expansão do mercado de trabalho. A profissão de cuidador de idosos foi a que mais cresceu no país em uma década, de acordo com o Ministério do Trabalho. O número de pessoas exercendo essa função aumentou 574% de 2007 a 2017, passando de 5.263 para 34.051 profissionais empregados.